Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Os números não mentem: agiotagem

20/05/2019 às 11:12

Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Agiotagem é permitida, conforme decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, “desde que se respeite o percentual de juros definido em lei”. Que lei? Reza a lenda que a Constituição elaborada 30 anos atrás deixou para lei complementar a regulamentação de juro máximo no ano. Até hoje nada aconteceu. Os mineiros, para variar, estão deitados em berço esplêndido, mas, o líder da indústria paulista Paulo Skaf, cobra aquilo que banqueiro não tem: consciência. O argumento é simples: faz mais de um ano que a taxa Selic está em 6,5% ao ano – índice mais baixo desde a sua criação, em 1979, mas os juros brasileiros continuam nas alturas... No caso do cheque especial, que, teoricamente, é um prêmio ao bom cliente, passaram de 322% em março.

Outro dado anunciado por Skaf dispensa qualquer conversa: se uma pessoa colocou R$ 100 na caderneta de poupança em 2009, ele tinha em janeiro último saldo de R$ 192,12; se essa mesma pessoa usou R$100 naquele primeiro mês do ano de 2009, agora, dez anos depois, estava devendo, ao banco, R$ 6.951.065,28. Não, caro leitor, o senhor não entendeu errado: o dinheiro seu, no banco, menos que dobrou, mas, o que o banco te emprestou saiu de R$ 100 para quase 7 milhões. É tão absurdo, tão indecente, que dá para chamar de agiotagem, não a permitira e sim aquela que o pai da gente dizia: não se mete com agiota porque ele acaba com sua vida.

Existe alguma dúvida de quem realmente manda no Brasil? Os bancos lideram as grandes forças que nossos analistas econômicos chamam de “Mercado”. É a turma do capital sem risco, do capital vagabundo, que vai aonde o lucro é maior e que se dane o país, que se exploda o povo, que se arrebentem os pobres. Esse “mercado” será mais ou menos genocida dependendo do capital social de uma Nação, do compromisso de seus líderes com sua gente e da vigilância que cada cidadão exerce sobre os homens públicos. Portanto, no fim tudo depende de nós, de nossa postura, nossa preocupação com o futuro de filhos e netos... Se continuarmos achando que política não presta, político é tudo igual, votar é bobagem e o Brasil não tem jeito... Não terá jeito!

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Vereador quer acabar com sirenes em escolas de Belo Horizonte: ‘Vamos colocar uma música light’:… https://t.co/y34eyiz2bD

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Projeto de Lei proíbe todas as instituições de ensino da capital de utilizarem as tradicionais sirenes devido ao incômodo causado nos alunos e nos vizinhos

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não gostou das críticas públicas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro nesse sábado

    Acessar Link