Notícias

Polícia desarticula quadrilha suspeita de comandar tráfico de drogas em bairro de Betim

Por Redação, 28/05/2019 às 18:38
atualizado em: 28/05/2019 às 20:18

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Amanda Antunes/ Itatiaia
Amanda Antunes/ Itatiaia

A Polícia Civil apresentou na tarde desta terça-feira resultados da investigação contra uma quadrilha suspeita de tráfico de drogas em um conjunto habitacional no bairro Citrolândia, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

De acordo com a polícia, a investigação começou há cerca de um ano devido ao grande número de homicídios relacionadas à venda de entorpecentes na região. Só no primeiro semestre de 2018 foram registrados 21 assassinatos. As mortes seriam por conta de dívidas com o tráfico e como forma de os criminosos garantirem respeito. 

Segundo a polícia, o conjunto habitacional tem cerca de 3 mil moradores, que viviam sob ameaças dos suspeitos. O grupo distribuía as drogas pelos prédios para dificultar o trabalho da polícia, usava as residências para armazenar os entorpecentes e faziam buracos nas paredes que facilitavam as fugas durante ações policiais. Algumas famílias também eram expulsas de seus apartamentos.
 
As investigações apontam que o chefe da quadrilha é Milton Fidélis, conhecido como Gordo. Ele cumpria pena há 4 anos e meio por tráfico de drogas e ganhou progressão para prisão domiciliar há 5 meses. Gordo foi preso no dia 7 de maio deste ano. Fidélis negou as acusações, disse que não conhece os outros presos e que não tem com o que se preocupar. “Tô de boa, deixa eles falarem o que quiser. A Justiça vai ver”.

Outros dois suspeitos de integrar o bando também foram presos. Ralisson César Silva Salles, conhecido como Ratão, é apontado como o chefe do tráfico de drogas, e Leonardo Ferreira de Jesus, conhecido como Angolano, seria o matador do grupo e o autor dos 21 assassinatos cometidos no conjunto habitacional em 2018. Um outro suspeito, conhecido como Dodó, está foragido. Segundo a polícia, ele é membro do Primeiro Comando da Capital (PCC).

As investigações continuam.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link